Brasil estuda implantação de 16 linhas de trens regionais de média velocidade

Foto do arquivo da ABPF mostra o ANTES...

...e o DEPOIS

 

Propositadamente sucateadas ao longo das quatro últimas décadas, as ferrovias foram cedendo lugar ao transporte rodoviário de cargas e de passageiros. Foi assim com a Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF) , em São Paulo, que figurou entre as melhores empresas de transporte de passageiros do mundo.

Há quase três anos, preparei um artigo prevendo o óbvio: que com os novos investimentos e o incentivo ao renascimento da indústria ferroviária no país, notadamente nos oito anos do governo do presidente Lula, um novo ciclo teria início. Agora, no entanto, sustentado em trens regionais, em linhas de média distância, e bem mais velozes para concorrerem com o transporte rodoviário. 

Na ápoca em que escrevi o artigo, argumentava que ao chegar em Campinas, vindo do Rio e São Paulo, os trens rápidos de passageiros novamente avançariam para o interior do estado, repetindo o que ocorreu no final do século 19 até meados do século passado. A autoridade que assinaria o artigo considerou o texto fantasioso, pura miragem. 

Bem, o trem bala vem aí. E notícia publicada (aliás, devidamente escondidinha) no UOL/Folha.com deste sábado, 25, antecipa que a retomada de linhas regionais de passageiros está mais próximas do que se pensava. Há estudos para 16 delas, inclusive o trecho que ligaria Londrina a Maringá, no Paraná, apontado como um dos projetos em fase mais adiantada. A proposta é aproveitar os traçados atuais, com pequenas modernizações e ajustes, optando por trens regionais, de média velocidade (até 250 km horários)  que têm tecnologia para correr nas ferrovias existentes.

O que se constata é um atraso de décadas, diga-se, em relação a tantos outros países que não deixaram de lado o transporte ferroviário de passageiros e evoluíram muito nesta direção.  O lamentável é que os responsáveis pelo sucateamento de nossas ferrovias, entre os quais os sucessivos governos paulistas que desmontaram a CPEF, nunca foram responsabilizados ou punidos por esse crime. Sim, crime. 

Se tiverem interesse, acessem o site da ABPF – Associação Brasileira de Preservação Ferroviária Aqui, que faz um trabalho de resgate histórico sensacional, sem deixar de recuperar antigas estações, vagões e locomotivas. Agora, veja a notícia da qual falamos no início da postagem e o mapa das novas linhas previstas, Aqui

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Luiz Carlos Leoni  On 03/10/2013 at 11:28 AM

    ”Trens regionais pendulares de passageiros de médio e longo percurso São Paulo-Minas-Brasília.”

    Para que possamos ter definido um trajeto para trens regionais de passageiros de médio e longo percurso São Paulo – Brasília, passando por muitas das cidades citadas abaixo entre outras, além de um trajeto coerente para cargas, (dupla função) com o fator de sazonalidade igual a zero, deveremos tomar as seguintes providências;

    1ª fase Interligar a ferrovia Norte / Sul com ramal para Brasília-DF com a Ferrovia Centro Atlântica FCA existente passando pelas cidades de Anápolis-GO, Araguari, Uberlândia, Uberaba-MG que hoje se encontram operando somente em bitola métrica, com a implantação de bitola mista ( 1,0 + 1,6 m ), passando por Ribeirão Preto, até o ponto que se encontram com a bitola larga em Campinas, aí já seguindo para Jundiaí e a capital-SP.

    2ª fase Interligar em linha paralela com a ferrovia Norte / Sul passando por Goiânia, Anápolis, Itumbiara-GO, Monte Alegre de Minas, Prata e Frutal-MG e adentrando pelo centro norte de SP na cidade de Colômbia, e a partir daí seguindo por ferrovias existentes por Barretos, Bebedouro, Jaboticabal, até Araraquara no centro de São Paulo, com bifurcação para Panorama ou para a estação Júlio Prestes na capital-SP, ambos os trajetos como função de linhas troncos.

    A maior parte destas propostas é a de se utilizar ao máximo os trechos ferroviários existentes que se estejam desativados ou subutilizados, mas que se encontram-se em regiões de grande potencial, que no passado já possuíram ferrovias a fazer parte de seu desenvolvimento, e que inexplicavelmente se encontram abandonadas, principalmente no estado de São Paulo, e o trecho novo complementar se limita a, ligação ferroviária Norte / Sul, Anápolis, Itumbiara-GO Colômbia-SP ~380 km, a maior parte em Minas Gerais. (Esta ligação tem a função de interligar na menor distância em bitola larga os pontos onde se encontram paralisadas ao Norte Anápolis-GO com a ao Sul Colômbia-SP) em um tempo, distância e custo de implantação muito inferior à proposta original, além que poderá ser utilizada como trens de passageiros.

    Notas:
    1-Fica definida a cidade de Panorama-SP de onde deve partir rumo ao Rio Grande do Sul a continuidade da ferrovia Norte / Sul.
    2-Alguns trechos entre Colômbia e Panorama-SP se encontram em estado precário, ou erradicados, portanto devem ser refeitos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: